Paralelo Ezequiel e Novo Testamento

A Teologia do Novo Testamento Parte 1

A Teologia do Novo Testamento

Paz e Graça, aqui o Pr. Altemar, trazendo mais um estudo teológico, e hoje gostaria de falar sobre a Teologia do Novo Testamento.

Mas Antes de você continuar lendo este estudo, gostaria de fazer uma pequena pergunta: Você gostaria de estudar a Bíblia comigo no conforto do seu lar, em vídeo-aulas? Clique aqui e veja como você pode aprender a palavra de Deus agora.

O Novo Testamento forma a segunda parte da Bíblia Cristã. E nele temos uma coleção de 27 livros, que somando-se, dará somente um terço do volume da primeira parte, o Antigo Testamento. Antigo Testamento foi escrito aproximadamente entre os anos 1400 AC e 400 AC.. Grande maioria do Antigo Testamento foi escrito em hebraico, com algumas pequenas seções pequenas em aramaico (essencialmente uma variação do hebraico). Porém o Novo Testamento foi redigido em menos de um século.

“Novo Testamento” quer dizer, de fato, “Novo Pacto, Nova Aliança” em contraste com a antiga aliança. A palavra “testamento” nos transmite o pensamento de uma última vontade, e só passa a ter efeito na eventualidade da morte daquele que é o testador. É dessa forma que a Nova Aliança entra em vigor, tendo em vista a morte de Jesus, o seu testador (Hebreus 9:15‐17). O Novo Testamento foi escrito originalmente em grego, entre 45 E 95 D.C.. Os livros do Novo Testamento não estão compilados em ordem cronológica.

Os primeiros escritos do NT foram as epístolas de Paulo e não os evangelhos, como podemos imaginar ao ler a Bíblia Sagrada, o Apóstolo Paulo é o responsável por toda a Teologia do Novo Testamento, é considerado o doutrinador da Igreja.

E nem mesmo a organização das epístolas paulinas estão em ordem cronológica, porquanto Gálatas (ou talvez 1 Tessalonicenses) foi a carta escrita bem antes daquela epístola dirigida aos Romanos, a qual figura em primeiro lugar em nossas Bíblias pelo fato de ser a mais longa das epístolas de Paulo; e entre os evangelhos, o de Marcos, parece ter sido aquele que primeiro foi escrito, não o de Mateus como está disposto em nossas Bíblias. A ordem em que esses livros aparecem, é, na verdade, uma ordem lógica.

Os quatro evangelhos estão inseridos em primeiro lugar porque descrevem os eventos cruciais daquele que tem a proeminência no Novo Testamento, Jesus de Nazaré. Entre os evangelhos, o de Mateus vem de maneira adequada antes de todos devido à sua extensão e ao seu relacionamento íntimo com o Antigo Testamento, fazendo assim, uma ponte entre a antiga e a nova aliança. Já o livro de Atos dos Apóstolos, temos uma envolvente narrativa do surgimento da igreja e a sua expansão em terras Palestinas, a Síria, Ásia Menor, Macedônia, Grécia e até lugares distantes como Roma, na Itália.

O livro de Atos é a segunda divisão de uma obra escrita em em dois volumes, Lucas‐Atos. Assim findam-se os livros históricos do Novo Testamento.

As Epístolas do Novo Testamento

As epístolas e, por último, o livro de Apocalipse, nos apresentam o significado teológico da história da redenção, além de extraírem dai muitas implicações éticas. Entre as epístolas, as de Paulo se posicionam em primeiro lugar e entre elas, a ordem em que foram arranjadas segue primariamente a ideia da extensão decrescente, levando‐se em conta a grande exceção formada pelas Epístolas Pastorais (I e II Timóteo e Tito), as quais antecedem a de Filemom, a mais breve das epístolas paulinas que chegaram até nós.

A mais longa das epístolas não‐paulinas, Carta aos Hebreus (cujo autor nos é desconhecido), aparece logo em seguida, depois da qual vêm as epístolas Católicas ou Gerais, escritas por Tiago, Pedro, Judas e João. E por último, fechando o Canon, temos o livro que lança os olhos para o futuro retorno de Cristo, o Apocalipse, livro esse que leva o Novo Testamento a um mui apropriado clímax de consumação.

“O Novo testamento é o livro mais importante já escrito em toda a história. Seu tema principal é o Senhor Jesus Cristo. Seu principal objetivo é a Salvação do ser humano. Seu projeto principal é o reinado final do Senhor Jesus num império sem limites e eterno.”

A Teologia do Novo Testamento – Os Quatro Evangelhos

Vamos focar agora a nossa atenção aos quatro evangelhos, que são uma coleção de registros muito importantes quando os examinamos de maneira coletiva. Para começar, nos deparamos com a seguinte pergunta: Por que existem quatro evangelhos, especialmente quando os três primeiros parecem abranger praticamente o mesmo assunto? Um só já não seria o bastante?

Como estamos falando de textos divinamente inspirados, a resposta final, claro, é que há quatro Evangelhos porque Deus assim o quis: mas podemos ainda acrescentar que existem razões claras para Deus Ter feito dessa maneira.

Existem quatro evangelhos em lugar de um, para assim, nos apresentar um retrato de Cristo. Os quatro Evangelhos têm cada um uma individualidade que não pode ser anulada pelo outro. A unidade do tema, somada à sua diversidade é que os torna tão interessantes à mente e tão satisfatório ao coração.

Também é possível explicar a necessidade dos quatro evangelhos facilmente pelo fato de ter havido, nos tempos apostólicos, quatro classes representativas do povo, que são: Judeus, Romanos, Gregos e a Igreja. Cada um dos evangelistas escreveu para uma dessas classes, adaptando‐se às suas necessidades e ideais. Veja a ilustração abaixo:

Teologia do Novo testamento - Sinóticos

Mateus Sabendo que os seus pátrios (Judeus) esperavam pela vinda do Messias, prometido no Antigo Testamento, apresenta Jesus como o Messias o filho de Deus.

O leão era o símbolo da tribo de Judá, a tribo real. Em Mateus nosso Senhor é “O Leão da Tribo de Judá ” João 3: 17 e eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo. Em Mateus, o evangelho do Rei, vê‐se nos primeiros capítulos o Rei dos Judeus e por Fim o Rei soberano nos céus e na terra. Marcos, por sua vez escreveu aos Romanos, um povo cujo ideal era o poder e o serviço, assim temos:

Marcos descreveu Cristo o Servo fiel.

O boi é o simbolo do trabalho servil. Ele representava entre os antigos do oriente, o trabalho paciente e produtivo. O Cerne do livro se encontra num Cristo ativo, um Servo forte, porém humilde. Em Marcos, o evangelho do grande Servo de Deus, enfatizam‐se os atos de Cristo, não as Suas palavras, Marcos conta a lida incansável do Servo do Senhor.

Lucas escreveu para um povo culto, os Gregos, cujo objetivo era atingir a perfeição e assim chegar a serem deuses, então Lucas apresenta Cristo como o Filho do homem, perfeito em tudo e que chegou a ser Deus.

O homem é símbolo de inteligência, razão, emoção, vontade, conhecimento, amor.
Lucas 5: 24 “Ora, para que saibais que o Filho do homem tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados (disse ao paralítico), a ti te digo: Levanta‐te, toma o teu leito e vai para tua casa.”. Em Lucas, o evangelho do Filho do homem, mostra‐se o coração de Jesus em uma série de manifestações de Sua compaixão, ternura e amor.

João quando escreve tem em mente a Igreja, pois já fazia muitos anos que Cristo tinha sido crucificado e as verdades do Evangelho estavam sendo esquecidas, por isso João, vendo as necessidades dos cristãos de todas as nações apresenta as verdades mais profundas do Evangelho.

João 4: 42 “e diziam à mulher: Já não é pela tua palavra que nós cremos; pois agora nós mesmos temos ouvido e sabemos que este é verdadeiramente o Salvador do mundo.”
Em João, o evangelho do Filho de Deus, podemos verificar como Jesus assemelha‐se à natureza da águia que voa e nos leva às alturas da Sua divindade eterna. É o livro que nos revela o mistério de Ele ser com o Pai.

Paralelo Interessante entre a Teologia do Novo Testamento e o Livro de Ezequiel

Paralelo Ezequiel e Novo Testamento

Ezequiel 1: 10 “E a forma dos seus rostos era como o rosto de homem; e à mão direita todos os quatro tinham o rosto de leão, e à mão esquerda todos os quatro tinham o rosto de boi; e também tinham todos os quatro o rosto de águia;”

O Leão simboliza a força e a soberania suprema, o homem representa a mais alta inteligência, o boi o serviço, a águia o celestial, o divino. Os quatro aspectos são necessários para transmitir toda a verdade. Como soberano Ele vem para reinar e governar. Como servo vem para servir e sofrer. Como Filho do Homem vem para participar e consolar. Como Filho de Deus vem para revelar e remir.

Cresça na Graça e no Conhecimento de Deus!

Maravilhosa fusão ‐ soberania e humanidade; humildade e divindade.

Os Evangelhos Sinóticos e o Evangelho de João

Antes de prosseguir com nosso estudo sobre a Teologia do Novo Testamento, preciso explicar o significado da palavra Sinótico: Sinótico: um resumo, que tem forma de sinopse.

Os evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas cobrem praticamente o mesmo terreno, apresentando apenas narrações dos fatos enquanto o registro de João, além de ter sido escrito bem mais tarde do que os demais, trata em sua maior parte de assuntos não mencionado nos três primeiros evangelhos. O evangelho de João é obra de um teólogo, que apresenta Jesus como o Cristo, o Filho de Deus.

A Teologia do Novo Testamento – As Principais Doutrinas

Gostaria antes de mais nada, informar ao leitor, que apresento aqui as Doutrinas fundamentais do Novo Testamento, que formam a base da Teologia do Novo Testamento, através de um pequeno e simples esboço, caso queira aprofundar mais no assunto, recomendo que você faça um de nossos Cursos de Teologia, então vamos lá.

  • Doutrina de Deus  – Teontologia – João 7 16 ‐ 17

“Respondeu‐lhes Jesus: A minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou. Se alguém quiser fazer a vontade de Deus, há de saber se a doutrina é dele, ou se eu falo por mim mesmo.”
A Existência de Deus
A Natureza de Deus
Os Atributos de Deus

  • Doutrina de Cristo  – Cristologia – Mateus 1: 18

“Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, ela se achou ter concebido do Espírito Santo.”
Natureza de Cristo
Os Ofícios de Cristo
A Obra de Cristo

  • Doutrina do Espírito Santo – Pneumatologia – Romanos 8: 11

“E, se o Espírito daquele que dos mortos ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dos mortos ressuscitou a Cristo Jesus há de vivificar também os vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que em vós habita.”
A Natureza do Espírito Santo
O Espírito Santo no Antigo Testamento
O Espírito Santo em Cristo
O Espírito Santo no Cristão
Os Dons do Espírito

  • Doutrina dos Anjos – Angelologia – Hebreus 1: 13 ‐ 14

“Mas a qual dos anjos disse jamais: Assenta‐te à minha direita até que eu ponha os teus inimigos por escabelo de teus pés? Não são todos eles espíritos ministradores, enviados para servir a favor dos que hão de herdar a salvação?”
Sua Natureza
Sua Classificação
Seu caráter
Sua Obra
Reino das trevas

  • Doutrina do Homem – Antropologia – Mateus 19: 4

“Respondeu‐lhe Jesus: Não tendes lido que o Criador os fez desde o princípio homem e mulher?”
A Origem do Homem
A Natureza do Homem
A Imagem de Deus no Homem

  • Doutrina da Salvação – Soteriologia – Romanos 3: 24

“sendo justificados gratuitamente pela sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus”
A Natureza da Salvação
Justificação
Regeneração
Santificação

  • Doutrina da Igreja – Eclesiologia – Atos 11: 22

“Chegou a notícia destas coisas aos ouvidos da igreja em Jerusalém; e enviaram Barnabé a Antioquia;”
A Natureza da Igreja
A Fundação da Igreja
As Ordenanças da Igreja
A Organização da Igreja

  • Doutrina das Últimas Coisas  – Escatologia- Mateus 24: 3

“E estando ele sentado no Monte das Oliveiras, chegaram‐se a ele os seus discípulos em particular, dizendo: Declara‐nos quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo.
Sinais da Vinda de Jesus
Arrebatamento da Igreja
Tribunal de Cristo
Bodas do Cordeiro
Grande tribulação Milênio
Juízo do Trono Branco

Bom, por hora ficarei por aqui, em breve postarei a continuação deste estudo sobre a Teologia do Novo Testamento

.
Soli Deo Glória

Termos pesquisados neste artigo: Teologia do Novo Testamento, Estudo do Novo Testamento, Bibliologia, a teologia do Novo Testramento

Facebook Comments

Altemar Oliveira é Bacharel em Teologia e Mestre em Ciências da Religião. Diretor e professor na Faculdade de Teologia Solascriptura e Faculdade Teológica Batista Plena Comunhão. É Pastor da Igreja Batista Plena Comunhão em São Paulo Outras obras do autor:  Israel, Solo Sagrado por Excelência, Material, 2006.  Israel, A Coroa de Todos os Povos, Material, 2006.  Missão Integral, a Igreja como agente do Reino de Deus, 2013  Compêndio de Teologia e Religião, 2013